Adrián García Bogliano: o diretor que mudou a cara do cinema de terror latino-americano

junho 11, 2019






Em mais um capítulo do projeto Final Chica, entrevisto um dos ícones do cinema de terror latino-americano, o diretor Adrián García Bogliano. O cineasta é responsável por longa-metragens criativos, arrojados, que se conectam e valorizam a cultura dos países onde eles são filmados. Bogliano começou a fazer filmes na universidade, onde ajudou a criar a famosa produtora argentina Paura Flics. Seu primeiro filme é o slasher Habitaciones para Turistas, lançado em 2005, o qual o projetou internacionalmente e é um longa-metragem que chama atenção pela originalidade e pelo seu distanciamento dos usuais clichês que estamos tão acostumados a ver no cinema de terror. Adrián, além de ter trabalhado na Argentina, desenvolveu projetos em vários países. E o diretor tem uma parceria criativa muito bacana com seu irmão, o também diretor e roteirista Ramiro García Bogliano. Os dois escreveram juntos vários filmes, como 36 Pasos, No Muriré Sola, Donde Duerme el terror, Penumbra, além de Habitaciones para Turistas. Nessa conversa, ele fala um pouco mais sobre alguns de seus filmes e seu relacionamento com o terror.

[FG] Quando você começou a se interessar pelo cinema de terror? O que você mais gosta no gênero?

O interesse pelo gênero vem desde a infância, da época que ia com meu irmão Ramiro para ver programas duplos e triplos nos cinemas do nosso bairro, das tardes que passávamos em locadoras, fascinados com as capas que estavam ali. O terror era um gênero que marcou os anos oitenta e por tanto é um dos nossos primeiros amores. Eu gosto da imprevisibilidade do gênero. O susto, quando é bom, é algo surpreendente, algo que sempre cai prematuramente. O terror quando é bom reflete isso, algo que tem a ver com o absurdo da existência. Nesse sentido, bons slashers parecem-me ser o melhor que o gênero pode dar, porque eles não precisam de justificação e porque eles geralmente se movem sob uma aparência de aleatoriedade. Parece que qualquer pessoa pode morrer a qualquer momento e por qualquer motivo.

[FG] Você já fazia filmes de terror na Argentina. Como se envolveu no projeto Donde duerme el horror na Costa Rica?

O projeto de Donde duerme el horror veio através do meu irmão. Ramiro viveu uma temporada na Costa Rica e um produtor de lá, Oscar Castillo, o chamou para fazer o que seria o primeiro piloto de uma série e então tornou-se um filme. E o Ramiro pediu-me para ajudá-lo, porque ele achava, com boas razões, que seria um projeto muito exigente.

[FG] O que inspirou vocês na criação do roteiro de Donde duerme el horror? O que você mais gosta na história da película?

A ideia era fazer uma adaptação de obras clássicas do terror e terminamos fazendo um mashup de uma história de W.W Jacobs com outra de Henry James. O que mais nos inspirou e do que mais gostamos foi a ideia de adaptar essas obras clássicas a um ambiente absolutamente costa-riquenho, tentando inventar do nada uma maneira de fazer terror em um lugar onde nunca antes havia sido feito. Tentar não ser um produto genérico, mas ter a maior personalidade possível e quebrar algumas barreiras quanto ao uso do sexo e da violência em uma sociedade que é bastante conservadora.

[FG] Uma coisa muito interessante sobre seus filmes e os roteiros que você escreveu é a habilidade que você tem de extrair terror da banalidade, do que é aparentemente "normal". Foi assim em Habitaciones para turistas, o próprio Donde duerme el terror, que depois recebe um tratamento mais sobrenatural. Como é para você reconhecer e explorar essas fontes de terror de nossa vida diária?

Precisamente, o mais atraente para mim é partir de ambientes específicos. Estes se tornam reconhecíveis para os espectadores de qualquer parte quando sentem que no filme há algo autêntico, particular, algo que não é um copiar e colar dos clichês americanos. E então é sobre ver particularidades de sua sociedade, encontrar coisas que você não viu antes em outros filmes e depois colocá-las nos esquemas do gênero e brincar com isso, o contraste de uma marca do gênero com um elemento surpreendente.

[FG] Em sua filmografia há algumas final girls e outras personagens femininas muito marcantes. Queria te perguntar. Qual é o teu personagem feminino favorito de toda a tua filmografia? Qual foi o personagem que você mais gostou de criar?

Eu amo as personagens femininas, elas são as que mais me atraem quando faço filmes. Existe uma teoria feminista muito boa que diz que os diretores de terror tendem a colocar as mulheres como nossos avatares, porque é mais fácil para nós representar nossos medos através das mulheres, uma vez que é assumido o que a sociedade espera de nós, Nós homens não podemos expressar nossos medos abertamente. Eu não sei se é totalmente sobre isso ou se a questão do "olhar masculino" também aparece, mas eu sempre achei personagens femininos muito mais interessantes. Os homens me parecem mais básicos em suas motivações e em suas respostas a situações de perigo. De minhas personagens femininas, há várias que eu gosto muito. Theda, a final girl de Habitaciones para turistas, que é uma personagem que vive com medo desde o príncipio e parece ser a menos apta para sobreviver a uma situação como a que tem que enfrentar, mas que consegue tirar forças de onde não tem. Eu gosto de Anabela de Grité una noche, que é uma personagem impulsiva e conflitiva. Eu gosto da Buchona de 36 Pasos, que nunca fala e cujos motivos e ações são desconcertantes. Talvez a que mais gosto é Marga, de Penumbra, que é uma personagem carismática e às vezes absolutamente detestável. Eu amo os personagens que têm uma bússola moral questionável. Cinema e filmes de terror em particular, não têm que ser aspiracionais, eles não têm que nos dar respostas ou nos mostrar aspectos do mundo que nos fazem sentir bem. Uma das funções fundamentais da arte é nos fazer questionar o que está ao redor e o terror é um grande gênero para isso.

[FG] Você filmou em várias partes: Argentina, Costa Rica, México... Em qual dos lugares foi melhor para executar o trabalho? Que teve melhor aceitação?


Eu amo filmar em todos os lugares. Eu gosto de trabalhar com equipes diferentes, com atores que vêm de diferentes origens. Parece que foi uma resposta diplomática, mas realmente em cada lugar eu tive experiências enriquecedoras que ainda hoje me servem para tudo que faço. De qualquer forma, não há dúvida de que a Argentina foi o lugar onde fui treinado e aprendi as lições fundamentais sobre como contar histórias.

[FG] Conversei com alguns diretores argentinos e eles são categóricos ao dizer que os argentinos não parecem consumir grande parte das produções nacionais de terror. Na sua opinião, por que você acha que isso acontece?

É verdade, ainda não há muito público. Eu acho que não podemos colocar toda a culpa no espectador. Parece-me que há inegáveis realidades de distribuição que fazem nosso cinema não ter a circulação que poderia ter. E também me parece que, por muito tempo, por escolha ou por não ter outra alternativa, temos trabalhado muito mais em direção ao nicho do que o público em geral.

[FG] Durante a ditadura militar argentina, sua família se exiliou na Espanha. E foi um período extremamente cruel na história argentina. O terror era palpável. Você acha que aquele momento na Argentina influenciou de alguma forma a produção cinematográfica do terror contemporâneo? Os filmes são uma tentativa de catarse e uma maneira de lidar com esse passado sombrio?
Eu não poderia dizer que isso é assim de forma sistemática. No meu caso sim, há algo disso, porque é uma história que me toca muito de perto e que sempre foi muito discutida em casa. Mas há muitas, muitas pessoas da minha geração para quem tudo isto é algo distante e isso não lhes diz respeito e há muitas outras pessoas que o têm perto mas que vivem em negação. No México, por exemplo, há uma recusa em fazer o terror que não é sobrenatural, só porque a violência real é um fenômeno tão forte que parece a eles que fazer filmes de gênero sobre isso é redundante. Eu não penso assim, acho que o terror oferece catarse como você diz e que a catarse é a única maneira de encontrar significado para os nossos terrores mais profundos.


 

  • Share:

You Might Also Like

0 Comments