American Horror Story: Conheça o hotel que inspirou a quinta temporadada série



American Horror Story é um seriado super popular entre quem gosta de filmes de terror. Criado por Ryan Murphy, o cara por trás de grandes sucessos como Glee e Nip/Tuck, a série possui um plot diferente a cada temporada.  Em 2015 foi a vez de abordar a história de um hotel bastante peculiar, o Cortez, onde coisas muito bizarras aconteciam com seus hóspedes. Uma espécie de Hotel Califórnia da vida real: você podia fazer o check-in, mas não tinha certeza se iria conseguir sair de lá com vida. Inclusive, a cantora Lady Gaga interpretava uma vampirona nessa season e ganhou o Globo de Ouro por sua atuação.




O que muita gente não sabe é que a série é baseada em um lugar real, o qual também fica na cidade dos anjos. É o famoso Hotel Cecil, localizado no centro de Los Angeles. Inaugurado em 1927, o empreendimento visava atrair viajantes e turistas, mas como o lugar fica nas proximidades do Skid Row, uma região muito degradada e repleta de moradores de rua, as pessoas acabavam preferindo se hospedar em outros lugares. As coisas pioraram com a crise econômica de 1929. Com isso, o proprietário do hotel resolveu baratear os custos da hospedagem, e também passou a alugar quartos para mensalistas.  A partir daí,  histórias cabulosas começaram a acontecer nas dependências do hotel: muitos arruaceiros começaram a alugar quartos no Cecil, e algumas pessoas começaram a se hospedar no hotel com o propósito de tirar a própria vida. Se isso não for sinistro o suficiente, saiba que dois serial killers muito famosos também viveram por aqui: Richard Ramirez (conhecido como Night Stalker), e o austríaco Jack Unterweger.



Mas o caso mais intrigante sobre o Cecil é o caso da turista canadense Elisa Lam. Depois de dias desaparecida, seu corpo finalmente foi encontrado em uma das caixas d’água do hotel. E tudo ficou ainda mais misterioso por causa de uma fita que mostra a garota agindo de forma bem estranha dentro de um dos elevadores, no dia de sua morte, indicando que poderia estar sendo perseguida. Como não foram encontradas marcas de violência no corpo de Elisa, e nem vestígios de drogas ou álcool em seu corpo, muitas questões continuam sem resposta. Além disso, as tampas que dão acesso aos reservatórios do estabelecimento são muito pesadas. Seria muito difícil que ela tenha conseguido abri-las sozinha. A conclusão oficial dos legistas é de que a sua morte tenha sido acidental (por afogamento), mas há quem questione que pode se tratar de um crime perfeito ou algo sobrenatural.

Cansados de toda essa polêmica envolvendo o nome do hotel, os proprietários trocaram o nome do estabelecimento em 2011. Agora ele é o Stay in Main e foi todo remodelado. Além dos quartos tradicionais, os andares onde os dormitórios só tinham um banheiro por corredor foram transformados em uma espécie de hostel. Mesmo com todo esse passado trevoso, o prédio do Cecil, o qual foi construído no estilo Art Deco, foi tombado como patrimônio da cidade de Los Angeles em fevereiro desse ano.



Depois de conhecer toda essa história sobre o hotel, fica a pergunta: você teria coragem de se hospedar aqui? Eu teria!

Nenhum comentário