[Especial Robert Englund] A Hora do Pesadelo 2: A Vingança de Freddy - Direção: Jack Shoulder

 

 

Uma coisa que deve ser dita sobre A Hora do Pesadelo 2: A Vingança de Freddy (1985), dirigido por Jack Shoulder. O filme tem uma das melhores aberturas de toda a franquia. A sequência do ônibus, que avança rapidamente pelo deserto, é assustadora. Com um início desses, tudo indicava que o roteirista da película, David Chaskin, havia compreendido muito bem a essência maléfica do vilão e o universo dos pesadelos. Mas não foi exatamente o que aconteceu. Pelo menos no meu ponto de vista.

 

Por alguma razão, Freddy, que nunca precisou da ajuda de ninguém para cometer seus crimes, ao invés de perseguir Jesse (Mark Patton) e eliminá-lo, usa o jovem para acessar o mundo real. Seus assassinatos deixam de acontecer no mundo onírico. E daí, fica aqui o questionamento: se Krueger pode eliminar qualquer pessoa através dos sonhos, por que raios ele precisaria formar uma equipe com um adolescente para praticar sua vingança contra os jovens de Springwood? Não faz sentido nenhum. Por essa razão, eu tenho algumas reservas com esse longa. Acho inclusive que, dentro da cronologia da franquia, caso ele seja retirado, não ocorre nenhum prejuízo na narrativa. É uma espécie de acidente de percurso.

Mas não é isso que realmente me incomoda na película. O que me aborrece é o subtexto bissexual, o qual foi comprovado pelo roteirista. É uma abordagem extremamente problemática. Se em A Hora do Pesadelo (1984) nós temos uma inversão de papéis, onde os adultos se comportam como “adolescentes” e fazem de tudo para se esquivar de suas obrigações parentais, em A Hora do Pesadelo 2, nós somos apresentados para os Walsh, que são o arquétipo da família do subúrbio dos EUA. Eles são pais preocupados com seus filhos e acabaram de realizar o “sonho americano”: adquiriram a sua primeira casa. Entre a hipoteca e consertos da residência, o patriarca da família é rígido. Jesse precisa cumprir todas as regras estipuladas. A mãe é mais amorosa e paciente. Além de ser o protótipo da dona de casa perfeita. Quando Jesse começa a apresentar um comportamento estranho, ela quer levá-lo ao psiquiatra, pois sente que não consegue prover a ajuda necessária ao filho. O pai, antiquado, acha que isso não servirá para nada: “O que ele precisa é de uma boa surra”.

Claramente Jesse possui questões com sua sexualidade. Sendo um adolescente nos anos 80, em uma sociedade que tinha (e tem) um tabu enorme quanto à homossexualidade, Freddy Krueger seria a representação do que Jesse precisa reprimir. Ele se transforma no vilão na presença daqueles que sente atração sexual: o treinador, o seu colega Ron Grady e Lisa. Jessie tenta até matar sua própria irmã quando está possuído por Krueger, lembrando do background pedófilo do assassino. A mensagem final do filme não poderia ser mais moralista e homofóbica: para deixar de ser Freddy, Jesse beija a mocinha e volta a ter a aparência de antes. Quando não consegue controlar seus instintos, ele é "monstruoso". E o mais interessante: a única pessoa com quem ele poderia falar sobre o assunto, seu professor, que encontra o jovem na boate no meio da noite, ao invés de ajudá-lo, o pune.  

Filmes ajudam a construir o imaginário coletivo. No caso dos EUA, muitos inimigos do país, como os "vilões árabes",  foram criados antes das guerras acontecerem. Películas também são importantes ferramentas para validar o discurso da moralidade. Nos anos 80, os filmes de horror eram muito usados para essa finalidade. E é muito evidente que A Hora do Pesadelo 2 apresenta essa narrativa normativa, onde ser heterossexual é a única orientação sexual possível. E, ao  reforçar essa mensagem perversa, a família tradicional está a salvo. Pena que os meninos e meninas que estão na mesma situação de Jesse não possam dizer o mesmo.


























Formulário p/ pagina de contato (Não remover)