Midsommar: o splatter "artístico" de Ari Aster


(O texto a seguir possui spoilers)

A impressão que tive assistindo Midsommar é que o Ari Aster ficou tão fascinado com o fato de ter chocado tantas pessoas com Hereditário, que sua missão como diretor tornou-se repetir essa façanha. E para isso, ele oferece em sua nova película uma história ritualística sádica, que repete alguns clichês do folk terror e termina como um grande splatter extravagante, cheio de cenas de mortes descabidas e planos lindíssimos de dança, onde o diretor tenta camuflar a gratuidade do gore e alcançar o status de filme artístico.

O filme conta a história de Dani (Florence Pugh), uma jovem que perde toda a família momentaneamente. Sua irmã bipolar tira a própria vida e mata também os pais, usando canos interligados ao escapamento dos carros da família. Essa cena, por si só, é mostrada nos mínimos detalhes, pois afinal de contas o roteiro está a serviço do choque. Na continuidade temos a cena de sofrimento extremo da personagem, um dos pontos altos do filme, totalmente desconcertada pela situação e que faz referência a cena de Toni Collette no filme anterior do cineasta. Florence é a melhor coisa do longa-metragem e, apesar da fragilidade do roteiro, a atriz consegue entregar uma atuação bem visceral. 



O filme funciona muito bem até a ida dos jovens para esse festival sueco. Aster tem uma habilidade muito grande de criar uma atmosfera inquietante nas suas películas. Chegando lá, o longa começa a se transformar em uma cópia bem descarada de filmes folclóricos, como O Homem de Palha (1973) e O Sacrifício (2006), onde estamos diante de um culto e o final, obviamente, termina com fogo. Se você acha que eu estou exagerando, saiba que o filme tem um personagem usando uma fantasia de urso como o Nicolas Cage na versão de The Wicker Man de 2006. Em meio a isso, começam a acontecer uma série de mortes horrendas em uma paisagem exuberante. O gore está rolando solto, mas veja só como são bonitas essas coroas de flores, esse céu azul, esse gramado verdinho e essas cenas de dança que se repetem, repetem e repetem, pois talvez não exista mais nada que possa ser usado para inflar o roteiro até que o diretor possa novamente nos chocar. Mas esse choque não é cru como em Hereditário. De uma forma bem perversa, ele transforma as cenas horrendas em algo "belo".


E a prova maior de que ele tenta “embelezar” o gore é a cena em que ele mostra o corpo de um jovem morto, com a pele de suas costas totalmente retirada, no melhor estilo “Hellraiser”. Mas para contrabalancear e tentar se distanciar dos exemplares do "torture porn" da década de 2000, ele coloca flores nos olhos do rapaz. Mas não adianta. Midsommar tenta ser artístico, mas todos os elementos do splatter comercial estão lá: a nudez, a cena de sexo (muito bizarra por sinal, pois o diretor precisa te chocar, não é mesmo?), a tortura, o gore, as mortes. E, no melhor estilo Eli Roth de ser, Aster explora algum país europeu, distorcendo suas tradições. Não sei se você sabe, mas o festival de Midsummer realmente existe e é uma celebração a vida. Mas como o diretor tem apenas o compromisso de trazer elementos perturbadores para a sua audiência, ele cria essa adaptação da festividade e a transforma em um banho de sangue. 

Midsummer (2019)
Direção: Ari Aster


 
Share:
Designed by OddThemes | Distributed by Blogger Themes