[Final Chica] O Cinema de Terror Chileno






 

O primeiro filme de terror chileno é a produção La Dama de la Muerte (1946), dirigida pelo cineasta argentino Carlos Hugo Christensen. Segundo o jornalista Rene Weber, em entrevista ao blog, o filme não é um longa-metragem de terror puro, mas foi um marco importante. Além de Christensen, houveram outras tentativas de trabalhar com o gênero, as quais foram destacadas por Weber, como La Mano del Muertito (1948), dirigido por José Bohr, e o média-metragem Chilean Gothic (2000), produção de Ricardo Harrington.

Sangre Eterna (2002)


"Oficialmente", o primeiro filme de terror chileno puro é Ángel Negro (2000), dirigido pelo cineasta Jorge Olguín. A película conta a história de Ángel, uma jovem que acaba morrendo durante uma festa de formatura. Após essa fatalidade, os outros participantes da comemoração começam a ser perseguidos por um assassino mascarado. Olguín escreveu e dirigiu o longa enquanto estava na faculdade, e foi influenciado pelas películas estadunidenses de slasher e pelos giallos italianos. O cineasta lançaria depois disso o filme de vampiros Sangre Eterna (2002), a película de zumbis Solos (2008), o drama fantasmagórico Caleuche: El llamado del Mar (2012), Gritos del Bosque (2014), e a história paranormal, filmada em um plano-sequência, chamada La Casa (2019).

Baby Shower (2011)

Além do pioneirismo de Olguín, outras produções podem ser destacadas, como Baby Shower (2011), dirigida por Pablo Illanes. Junto com a proliferação do splatter no cenário mundial, difundido como torture porn, também surgiram alguns filmes do subgênero em solo chileno, como Visceral: entrelas cuerdas de la locura (2012), dirigido por Felipe Eluti, e a produção brutal Trauma (2017), dirigida por Lucio A. Rojas.

Outro diretor chileno que faz um trabalho bem interessante no gênero é Patricio Valladares. O cineasta possui oito longa-metragens no currículo, como Porta do Inferno (2017), estrelado por Robert Englund. No Chile, Patricio fez cinco filmes de terror: Curriculum (2006), Dirty Love (2009), Toro Loco (2011), En las Afueras de la Ciudad (2012), e a coprodução Canadá/Chile Downhill (2016).



O diretor estadunidense Eli Roth também desenvolveu alguns projetos no Chile através da produtora Sobras. As coproduções Chile e Estados Unidos são Aftershock (2012), filme dirigido por Nicolás López, Knock Knock (2015), película dirigida por Roth, The Stranger (2014), longa-metragem dirigido pelo diretor uruguaio Guillermo Amoedo, e Madre (2017), filme de Aaron Burns.



ALGUNS FILMES DE TERROR CHILENOS